Humans of Science: Hedi Young

(Photo: Tor Stensola)

Who are today’s scientists? Inspired by the project “Humans of New York”, Ar Magazine turns the spotlight on individual humans of science every month.

Name: Hedi Young
Lab: Cortical Circuits Lab
Project: Patterns of long-range connectivity in the cortex

I still remember the day I learned that color is not a direct property of matter. It doesn’t exist outside the brain, instead it’s an invention conjured up inside the brain by our neural circuitry. As a young person, this came as quite a shock to me. Subsequently I learned that color was only one of many such fabrications.

After studying biology at Oxford, I worked on making documentaries for the BBC for several years. I had written screenplays when I was younger and there was an element of discovery to documentary-making that I liked. My role starting out was as a journalistic type researcher, but I found that I enjoyed more getting into the editing room after filming, where you can construct the narrative.

Our brains evolved not to show us reality as it really is, but rather a narrow and edited version catered to our specific needs as a species. There is fabrication on so many levels of experience, with each level adding up to a unified mental narrative. Narratives are useful and interesting things whether you are making a documentary or doing science, and relate to age-old ideas like Plato’s allegory of the cave, in which projections are mistaken for the objects that produced them. To me, it’s a nice analogy for how we are prisoners of our own experience, and most of the time not even aware of it.”

Hedi Young grew up in London. He studied biology at Oxford University before  pursuing a career in the BBC as a documentary-maker for several years. He is currently a neuroscience PhD student at the Champalimaud Centre for the Unknown.

(Em português)

“Ainda me lembro do dia em que descobri que a cor não era uma propriedade interna da matéria. Isto é, que não existe fora do cérebro; é uma construção cerebral gerada pelos nossos circuitos neurais. Eu era novo e isto foi um grande choque para mim. Mais tarde, percebi que a cor era apenas uma das muitas invenções do cérebro.

Depois de estudar Biologia em Oxford, trabalhei como documentarista para a BBC durante vários anos. Quando era mais novo, gostava de escrever  argumentos para filmes e o que mais gostava era a vertente de descoberta que acontece durante a realização de documentários. Comecei como jornalista, mas apercebi-me que preferia estar na sala de montagem depois das  filmagens, o sítio onde construímos a narrativa.

O nosso cérebro não evoluiu para nos mostrar a realidade como ela realmente é, mas para nos dar uma versão mais estreita e editada da realidade, feita à medida das nossas necessidades enquanto espécie. Construímos a realidade em inúmeros níveis da nossa experiência, que são integrados numa narrativa mental unificada. As narrativas são úteis e interessantes tanto para realizar um documentário como para fazer ciência, e têm a ver com ideias milenares, tais como a alegoria da caverna de Platão, onde as projecções dos objectos são confundidas com os objectos que as produziram. Acho que é uma boa alegoria para perceber até que ponto somos prisioneiros da nossa própria experiência, embora a maior parte do tempo nem sequer damos por disso.”

Hedi Young cresceu em Londres. Estudou Biologia na Universidade de Oxford, antes de se tornar, durante vários anos, realizador de documentários na BBC. Actualmente, é estudante de doutoramento no Centro Champalimaud.


 

Tor Stensola is a postdoc in the Systems Neuroscience Lab at the Champalimaud Centre for the Unknown

 


Loading Likes...